Skip to content Skip to footer

Edição 5

Edição 5

Sofisticação, informação e pé no chão: temos!

Sophisticated Lady

Comecei a prestar atenção em Sofia Coppola lá atrás, quando ela participou de um dos episódios do filme “New York Tales”, aquele assinado pelo pai dela, Francis Ford Coppola. Ela era pequena, charmosa, irreverente, inteligente e descolada. Isso desde sempre. A história dela se passava no hotel The Sherry-Netherland, um dos mais sofisticados de Manhattan, que fica na Quinta Avenida com a Rua 59. E foi justamente nesse hotel onde me hospedei pela primeira vez em Nova York, quando de surpresa meu pai chamou minha mãe e nós quatro, os filhos, para irmos no inverno para lá. Foi tudo de repente e eu nunca esqueci essa viagem de sonho. Minha primeira experiência lá foi exatamente nesse hotel e quando eu vi o filme onde Sofia reinava, claro que lembrei de mim nessa mesma situação: filhinha e papai. Pois a mesma Sofia, que de lá pra cá cresceu e virou uma das cineastas mais relevantes dos nossos tempos, vai lançar seu primeiro livro, “Sofia Coppola Archive: 1999-2023″. É tipo coffee table book, de colecionador: são quase 500 páginas, onde ela compartilha lembranças pessoais, fotografias nunca vistas antes, rascunhos de roteiros e um pouco de tudo o que viveu em quase duas décadas de carreira. Tem também bastidores de filmes que viraram cult, como “As Virgens Suicidas”, “Encontros e Desencontros” e “Maria Antonieta” – amo os três num grau! O projeto começou a ser desenhado na pandemia, enquanto ela fazia quarentena no hotel do pai em Belize, o Turtle Inn, um lugar mágico onde, aliás, ela tem um villa que leva seu nome
Força, foco e flerte

Correndo para o abraço

Por acaso você sabia que em Londres tem um aplicativo de corridas fazendo as vezes de aplicativo de namoro? Pois é. Tem e se chama Strava. Não é exatamente novo, mas tem tantos usuários na cidade que ganhou espaço no prestigiado jornal The Times. A turma que acorda ainda de madrugada para correr antes de seguir para o trabalho gosta mesmo é de se relacionar com outras pessoas que têm o mesmo estilo de vida. E todos eles usam o tal aplicativo para suas conquistas, tanto de quilômetros diários a mais quanto de “dates”. No app, a pessoa coloca sua foto, tipo um Instagram, conta o quanto de exercício fez naquele dia, participa de grupos. Segundo o jornal, não muito tempo atrás apenas atletas de elite acompanhavam meticulosamente seus avanços, mas agora qualquer corredor e ciclista que baixar o app consegue monitorar todos os passos e a melhora do desempenho. Mas não está sendo usado só para isso e justamente por isso já conta com 100 milhões de usuários pelo mundo. Haja fôlego, né não?

Inscreva-se na newsletter



Nova baiana

Uma coisa meio Baby Consuelo do terceiro milênio, Mãeana é a talentosa cantora e compositora Ana Cláudia Lomelino, que encheu de amor, charme e suingue o Sesc Pompeia na última semana. Quem foi, amou. Inclusive o deejay Zé Pedro, que publicou elogios rasgados em suas redes e que só confirmou o que eu já sabia: “É um poderoso antídoto contra ciúme e separação através da sofrência e bossa nova”. Gostei disso. Mãeana é bem teatral e faz poesia interpretando tanto João Gomes, do Piseiro, quanto João Gilberto no show “Mãeana Canta JG”, que ela vem fazendo desde o ano passado no espaço Casa da Mãe, no Rio Vermelho, em Salvador. E seu figurino? Outra história… Casada com Bem Gil, filho de Flora e Gilberto Gil, ela lançou seu primeiro álbum em 2015, já com a participação de Caetano Veloso e Adriana Calcanhotto, e foi reconhecida como cantora revelação na MPB pelo O Globo. Para colocar no repeat no Spotify…

Ponto sem nó

Depois do tricô e do crochê, agora é o bordado que está tendo o seu momento de glória, valorizado até no universo das artes. E quem afirma isso não sou eu, que sempre admirei artistas que se utilizavam dessa prática, tanto bordados como costuras – Leonilson foi um deles, Rosana Paulino, Lia Menna Barreto e até Anna Maria Maiolino. Sempre fui muito fã. Agora, o Financial Times reconheceu esse momento e falou sobre quatro importantes exposições de artistas contemporâneos, em cartaz neste momento em Londres, todos usando técnicas inovadoras, mas inspirados em bordados históricos. Eu não sabia, mas o bordado como arte foi banido pela Royal Academy no século 18, muito tempo antes de ganhar destaque em diversos cursos pelo mundo afora nas últimas décadas – inclusive no Brasil. Para quem for fã dessa técnica, vai aqui uma dica: Lilia Moritz Schwarcz, antropóloga e historiadora, fez uma curadoria de diversas artistas brasileiras para a mostra “Andar pelas bordas: bordado e gênero como práticas de cuidado”, que acaba de abrir na Arte132 Galeria, em São Paulo. Ah, outra dica para quem quiser entrar nesse mundo, sugiro uma experiência que eu própria fiz: um curso com Renato Dib, fera em costuras e bordados, na superbacana+. Um excelente começo.

João de barro

Todas as vezes que eu vou para a praia da Comporta, em Portugal, eu escolho ficar em uma hospedagem que não é hotel e nem casa alugada: trata-se de uma Guest House. O que isso quer dizer? São sempre pequenas, uns quatro quartos aproximadamente, sem qualquer serviço de hotel mas com uma mini cozinha, uma sala, um banheiro, às vezes um jardim ou um terraço, tudo sempre bem cuidado e de bom gosto – pelo menos é isso o que eu sempre procuro. Depois que eu descobri essa possibilidade, tenho tentado ficar em guest houses em outros lugares que vou. No Porto, a joalheira carioca Julia Gastin, minha amiga, e o galerista português João Azinheiro, me sugeriram uma que eu amei, extremamente sofisticada, de bom gosto e ao mesmo tempo muito exclusiva: a Massarelos House, que ainda está em soft opening. Um charme. Na geladeira, eles já deixam tudo que a gente vai precisar no café da manhã do dia seguinte e o pão fresco é colocado em um saco de pano na porta bem cedinho de manhã a cada dia. Tudo isso não quer dizer eu nunca mais vá me hospedar em algum hotel bacana… Mas isso quer dizer que existe sim uma possibilidade outra com o mesmo charme e encanto e com um preço bem menor. Recomendo muito essa nova onda de guest houses: a minha cara.

Compartilhe essa página

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Em construção

As “it girls” nunca mais serão as mesmas: pelo menos é isso o que afirmam sites especializados em moda como o BOF, o famoso Business of Fashion. O motivo? Se antes elas ganharam o título por acidente, pelo estilo de se vestir e de vida, agora as novas garotas que todo mundo quer copiar contam com um mutirão de pessoas nos bastidores trabalhando para alavancar e manter seus predicados. Elas não surgem mais por acaso: são obras de uma construção de marketing, esculpidas com cuidado por uma equipe de profissionais como publicitários e estilistas, a turma que sabe descobrir, criar narrativas e cativar audiências. E como os tempos sempre mudam, novas exigências surgem, sempre seguindo tendências que precisam “viralizar”: como por exemplo o que está acontecendo agora, quando as “it girls” do momento têm de apoiar causas e dar voz a questões relevantes. Pois é.

Nesta Semana Eu...

 Passei de carro em frente à loja Itens, de Mariana Amaral, e vi umas luminárias de peles coloridas - a minha cara!

 Comprei pelo WhatsApp bolinhas de marzipã cobertas por chocolate amargo da MZP - eles entregaram em casa e eu estava sonhando com isso

 Não consegui avançar na leitura do livro "Ioga", de Emmanuel Carrère - apesar de estar gostando muito, não tenho conseguido me concentrar nesse dia a dia louco da cidade grande

 Numa entressafra, resolvi retomar a segunda temporada de "And Just Like That", na HBO Max - está bem adaptada aos dias de hoje, estou gostando

 Fui na festa de casamento de Thiago Hsu e Isabella Mauro, um superastral: teve até o deejay Marky e eu dancei tanto - de salto alto, imagina? - que fiquei com dor na lombar a semana inteira

 Não consegui ir ao lançamento das velas de Aninha Strumpf na loja Pinga... gosto dos trabalhos dela

 Usei pela primeira vez minha capa de duvet de linho e rendas que comprei na Trousseau (o sale deles é tudo)

 Não consegui assistir ao show intimista da cantora portuguesa Carminho, sou fã, no Baretto - peguei uma gripe braba

 Comprei umidificador, inalador, soro fisiológico, xarope e bombinha na Drogasil aqui perto de casa - a coisa ficou feia pro meu lado

 Acompanhei de longe a estreia da loja Cachê, no Iguatemi - gosto muito das roupas de lá

 Passei sonhando que a primavera logo ia chegar - assim as plantas daqui de casa voltam a florescer e resplandecer

 Acompanhei o lançamento da linha de louças nascida da parceria da estilista Martha Medeiros com Luiza Helena Trajano para o novo aplicativo do Magalu - uma coisa bem brasileira, com flores de mandacaru, lindo, e parte das vendas para o projeto Olhar do Sertão

 Soube que a Lello, que fica no Porto, Portugal, e que eu tive a sorte de visitar e ainda fazer umas comprinhas, foi eleita a mais bela livraria do mundo - superconcordo

 Incluí "Lucro: Descomprimindo", do BaianaSystem na minha playlist deste ano: sou cada vez mais fã deles

 Descobri que North West, filha de Kim Kardashian e Kanye West, Stormi Webster, filha de Kylie Jenner e Travis Scott, Blue Ivy Carter, filha de Beyoncé e Jay-Z, o príncipe George e a princesa Charlotte, filhos de Kate Middleton e príncipe William, são as cinco crianças mais ricas do mundo - isso serve exatamente pra quê? Cartas para a redação

 Estou começando a preparar o meu espírito para o Rosh Hashanah, o ano novo judaico, que será celebrado dia 15 de setembro

 Estreei com a psicanalista Vera Iaconelli a série de conversas que farei mensalmente na Casa Vivo no Jardim Paulistano, com plateia de convidados e muito conteúdo - foi excelente!

Trilhas Urbanas

Todas as semanas eu tenho comentado aqui sobre a gigante que é a JBS, uma das maiores empresas de alimentos do mundo. Das suas conquistas, de projetos inovadores e sociais… Mas esta semana vou falar como a JBS participa do nosso dia a dia, além das gôndolas dos mercados e das nossas mesas. Um exemplo? A Seara, parte do portfólio da JBS há 10 anos, é patrocinadora do The Town 2023, festival de música, cultura e arte que acontece pela primeira vez em São Paulo, neste fim de semana e no próximo – aliás, só se fala nisso! A presença de Seara no Festival irá oferecer uma experiência única e engajadora. Durante os cinco dias de evento, o público poderá participar de duas ativações especiais dentro do espaço de Seara, Morda e Supreenda-se e o Crocantômetro, que destacam os produtos da nova linha de Frangos Crocantes da Seara, com muito sabor e crocância, feita com 100% peito de frango e cortes íntegros, como a coxinha empanada, em diferentes casquinhas. Além disso, a marca inovou o menu Bacon Hits Seara Gourmet, que foi sucesso absoluto no Rock in Rio 2022, e chega ao festival paulista com duas novas harmonizações de molhos e toppings em celebração à cidade do The Town 2023 – o Bacon Hits SP Edition inspirado no Virado à Paulista e o Bacon Hits Street Market inspirado na dupla “Pastel e caldo de cana”. 

Pioneira no seu setor de atuação no patrocínio de festivais de música, essa é a terceira vez que a Seara participa de festivais de música – em 2019 e 2022, a Seara marcou presença no Rock in Rio. “A música assim como a comida são experiências agregadoras. O festival tem a proposta de ser um movimento que vai promover o encontro de diversas tribos. E a Seara também é democrática, conta com um portfólio amplo e inclusivo para atender um público variado”, conta Tannia Fukuda Bruno, diretora de marketing da Seara. Vamos lá!